Share

Segurança Contra Incêndio

Segurança Contra Incêndio

A Electrolaranjo encontra-se registada na (ANPC) Autoridade Nacional de Proteção Civil sob o n.º 733 e Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores RE 15/RAA para:

 

 – Comércio, manutenção e instalação de Sistemas Automáticos e Dispositivos Autónomos de Deteção de Incêndio e Gases.

 – Comércio, manutenção e instalação Sistemas e Dispositivos de Controlo de Fumo.

 – Comércio, manutenção e instalação de extintores.

 – Comércio, instalação e manutenção de sinalização de segurança.

 

Dispomos de uma equipa de técnicos certificados que lhe oferecem a totalidade destes serviços, com garantia de qualidade!

O sistema automático de deteção de incêndios equipado com detetores tem vantagens sobre a deteção humana por normalmente ser mais rápida, podendo exercer-se simultaneamente sobre muitas áreas ou espaços.

Esta deteção é supervisionada por uma central que, em caso de localização de um foco de incêndio ou alarme confirmado (atuação de uma botoeira manual), dará os alarmes para os quais está programada, podendo ainda efetuar algumas funções:

 – Transmitir o alarme á distância;

 – Efetuar uma ligação telefónica aos bombeiros;

 – Fechar ou abrir portas;

 – Parar maquinas, abrir exaustores, controlar elevadores;

 – Fazer iniciar o funcionamento de sistemas de extinção fixos;

fogo 

Os sistemas automáticos de deteção de incêndio “S.A.D.I.” são basicamente compostos por:

 – Painel de comando e receção – Central de deteção de incêndio;

 – Dispositivos automáticos passivos – Designam-se por passivos porque é uma Acão externa que dá origem ao alarme

 – Dispositivos de alerta ótico e acústico – Sirenes de alarme e sinalizadores óticos;

 – Cablagem elétrica – Classe A – Lopo ou Anel; Classe B – Radial – não regressa ao painel.

 

Existem basicamente três tipos de sistemas:

 – Convencional – A cativação de um dispositivo indicará a presença de um foco de incêndio numa determinada zona do espaço protegido.

 – Analógico/endereçável – A cativação de um dispositivo indicará a localização exata de um foco de incêndio – estes sistemas são ideais para a proteção de grandes áreas.

 – Híbrido (Convencional mais analógico) – Estes sistemas são basicamente utilizados na remodelação e/ou ampliação de edifícios.

 

Dispositivos de Deteção

Detetor Térmico

Existem duas classes de detetores térmicos: de temperatura fixa e Termo velocimétricos:

  • Detetores de temperatura fixa têm definido o valor de temperatura a que o elemento interno de deteção deve ser aquecido antes de atuar;
  • Detetores Termo velocimétricos – Este tipo detetor entra em alarme se a temperatura ambiente tiver um aumento de 10º a cada 5 minutos.

 

 Detetor Ótico:

 Detetor de fumos sensível aos produtos de combustão que sejam absorvidos ou dispersos por radiação infravermelha, visível e/ou ultravioleta.

A maioria dos detetores óticos deteta fumo pelo princípio de dispersão luminosa, também conhecido por efeito de Tendal:

 

Detetor de chamas UV:

O detetor de chamas UV destina-se a proteger áreas de risco onde um eventual incêndio se propagará rapidamente, com poucos estágios ou sem nenhum estágio inicial de fogo ou de chama, onde a inflamação é quase instantânea, por ex.: líquidos inflamáveis, gases combustíveis, produtos petroquímicos, etc.

 

 Detetor de chamas por infravermelhos:

 Os detetores de chamas por infravermelhos são utilizados para a deteção de fogo aberto em espaços interiores ou exteriores.

Estes detetores são especialmente adequados para incêndios líquidos e gases que não produzem fumo, bem como para incêndios de materiais que contem carbono e desenvolvem fumo espesso.

 

Botoneira de alarme manual:

Uma Botoeira de Alarme Manual de Incêndio serve para que o utilizador, confrontado com a presença de um foco de incêndio, faça disparar o alarme de incêndio.

O princípio de funcionamento é baseado na quebra do vidro incorporado, que tem como resultado o envio para a central de um sinal de alarme, acendendo também um led de sinalização de atuação.

 

Sinalética de Segurança

A sinalização visual consiste na colocação nos locais apropriados de sinais gráficos (símbolos ou pictogramas), de formatos, desenhos e cores aprovadas, que dão indicações de:

 – Proibição – Proíbem um comportamento/Acão;
 – Obrigação – Impõem um comportamento;
 – Aviso – Advertem de um perigo ou risco;
 – Salvamento ou Socorro – Dão indicações sobre saídas de emergência ou meios de socorro e salvamento.